Resumo: Os prazeres e as armadilhas do uso de dispositivos pessoais no ambiente de trabalho

Entenda quais são os benefícios e os malefícios em adotar o BYOD em uma empresa.

Leia também:

BYOD  – do inglês, bring your own device (traga seu próprio dispositivo). O futuro das empresas e dos funcionários conectados passa por essa sigla

Funcionários usando seus próprios smartphones permitiriam que as empresas desfrutassem dos benefícios de uma força de trabalho móvel sem gastar seu próprio dinheiro com a aquisição desses dispositivos. As pequenas empresas seriam capazes de adotar a tecnologia da computação móvel sem fazer grandes investimentos em dispositivos e serviços móveis.

Quase três em cada cinco empresas acreditam que o BYOD representa um problema crescente para suas organizações. Embora o BYOD possa melhorar o nível de satisfação no trabalho e a produtividade do funcionário, também pode causar uma série de problemas se não for gerido de forma adequada: é mais difícil dar suporte para dispositivos de propriedade pessoal do que para os fornecidos pela empresa, o custo de gerenciamento de dispositivos móveis pode se elevar e a proteção dos dados e redes corporativas torna-se mais complexa.
Em média, uma empresa com mil dispositivos móveis gasta um extra de US$ 170 mil por ano quando adota o BYOD. Logo, não é tão simples assim.


IBM

A CIO Jeanette Horan, da IBM, acredita que o BYOD pode causar tantos problemas quantos ele é capaz de resolver. O BYOD não está poupando dinheiro para a IBM, mas está, de fato, criando novos desafios para o departamento de TI, pois os dispositivos dos funcionários contêm vários softwares que a IBM não controla.

A IBM fornece dispositivos BlackBerry seguros para cerca de 40 mil de seus 400 mil trabalhadores, ao mesmo tempo em que permite que mais 80 mil funcionários usem seus próprios smartphones ou tablets para acessar as redes da IBM

O departamento de TI da IBM descobriu que não tinha domínio de quais aplicativos e serviços seus empregados estavam usando em seus dispositivos pessoais, e os próprios empregados eram “inocentemente inconscientes” dos riscos de segurança apresentados por apps populares. A IBM decidiu proibir o uso de serviços populares, temendo que seus funcionários colocassem informações confidenciais da empresa em suas contas pessoais, encaminhassem e-mail interno para serviços de correio públicos da Web ou usassem seus smartphones como hotspots Wi-Fi móveis.

A IBM não permite que um funcionário acesse sua rede corporativa com um dispositivo pessoal, a menos que o dispositivo esteja protegido por suas regras de segurança. O grupo de TI também desabilita programas públicos de transferência de arquivos

O dispositivo de cada funcionário é tratado de maneira diferente, dependendo do modelo e das responsabilidades do cargo da pessoa que o está utilizando, ela também equipa os dispositivos móveis com software adicional: programas que criptografam informações que trafegam de e para as redes corporativas.


Intel

Uma empresa que implantou o BYOD com sucesso foi a Intel Corporation. Cerca de 70% dos 39 mil dispositivos registrados em sua rede são dispositivos pessoais. 

A Intel elaborou uma estratégia de adoção do BYOD e criou um acordo de nível de serviço para o usuário final, esclarecendo que eles estavam voluntariamente aderindo ao BYOD e não sendo obrigados a isso.

A empresa desenvolveu diferentes políticas, regras e limites de acesso para cada tipo de dispositivo — smartphone, tablet ou laptop

Ela mantém uma lista de dispositivos aprovados. Se um dispositivo não satisfaz seus requisitos, ele é bloqueado a partir da rede.

A empresa tem uma loja interna de “apps” e usa uma variedade de software e ferramentas de segurança, incluindo software de gestão de dispositivos móveis e de gestão de aplicativos móveis

O objetivo da Intel para o BYOD não é poupar dinheiro, mas tornar os funcionários mais felizes e produtivos. Os funcionários gostam da possibilidade de usar seu próprio dispositivo e seus apps, juntamente com os apps especializados da Intel. Em média, os trabalhadores dizem que usar seus próprios dispositivos os faz economizar um tempo de aproximadamente 57 minutos por dia, o que equivale a 5 milhões de horas por ano em toda a empresa.


Canadian Tire

O executivo-chefe de tecnologia (CTO — Chief Technology Officer) Eugene Roman, da Canadian Tire, teme que uma mensagem de e-mail possa enviar um vírus para a infraestrutura central da empresa. No momento, a gestão da Canadian Tire pensa que BYOD é interessante, mas ainda não está pronta para as aplicações tradicionais de negócio da empresa.


Conclusão:

Para implantar dispositivos móveis com êxito, as empresas precisam examinar cuidadosamente seus processos de negócio e determinar se a mobilidade faz ou não sentido para elas. Nem toda empresa se beneficiará da mobilidade com a mesma intensidade. Sem uma ideia clara de como os dispositivos móveis se encaixam nos planos de longo prazo das empresas, elas acabarão desperdiçando dinheiro em dispositivos e programas desnecessários. 

Uma das maiores preocupações que os gestores têm sobre a mobilidade é a dificuldade de medir o retorno sobre o investimento. Muitos trabalhadores são bastante comprometidos com seus dispositivos móveis e os benefícios são muito significativos para serem ignorados, mas quantificar quanto dinheiro é ganho ou poupado pela adoção de uma estratégia móvel pode ser uma tarefa difícil


Questões:

1. Quais são as vantagens e desvantagens de permitir que os funcionários usem seus smartphones pessoais para as atividades profissionais?

  • A vantagem é que as empresas poderão desfrutar de benefícios de uma força de trabalho móvel sem gastar o próprio dinheiro, elas poderiam adotar tecnologia de computação móvel sem fazer grandes investimentos. 
  • A desvantagem é que é difícil dar suporte para dispositivos de propriedade pessoal, e a proteção de dados e da rede da empresa torna-se complexa, já que qualquer um poderia enviar um e-mail facilmente com informações confidenciais da empresa.


2. Quais fatores pessoais, organizacionais e tecnológicos devem ser considerados na tomada de decisão sobre permitir que os funcionários usem seus smartphones pessoais no trabalho?

  • Benefícios de uma força de trabalho móvel sem gastar o próprio dinheiro
  • Adotar a tecnologia da computação móvel sem fazer grandes investimentos em dispositivos e serviços móveis. 
  • Custo de gerenciamento de dispositivos móveis
  • Proteção de dados e de redes corporativas fica mais complexa


3. Compare as experiências de BYOD da IBM e da Intel. Por que o BYOD funcionou tão bem na Intel?

  • A IBM forneceu apenas uma parcela de dispositivos móveis seguros para seus funcionários e ao mesmo tempo permitiu que eles continuassem usando o seus próprios dispositivos móveis em sua rede, contendo vários software que ela não controla. Ao fazer isto os próprios empregados eram “inocentemente inconscientes” dos riscos de segurança apresentados por apps populares. Com isto ela acabou bloqueando serviços populares, temendo que seus funcionários colocassem suas informações confidenciais da empresa sem suas contas pessoais de apps populares. Em certa categoria de funcionários ela equipa um software nos dispositivos móveis como programas que criptografam informações que trafegam de e para as redes corporativas.
  • A Intel Criou um acordo de nível de serviço para o usuário final, esclarecendo que eles estavam voluntariamente aderindo ao BYOD e não sendo obrigados a isso.  A empresa desenvolveu diferentes políticas, regras e limites de acesso para cada tipo de dispositivo — smartphone, tablet ou laptop — com aplicação de múltiplos níveis de controle. Ela mantém uma lista de dispositivos aprovados. Se um dispositivo não satisfaz seus requisitos, ele é bloqueado a partir da rede.

4. Permitir que funcionários utilizem seus próprios smartphones no trabalho poupará dinheiro para a empresa. Você concorda? Justifique sua resposta

  • Deve ser feito um estudo meticuloso para saber se é necessário que funcionários utilizem seus próprios dispositivos móveis. Uma vez que deverá ser investido em tecnologia de computação móvel para manter estes dispositivos em uso no dia-a-dia do funcionário. Por ser um dispositivo pessoal muitos trabalhadores são bastantes comprometidos com seus dispositivos móveis e os benefícios são significativos, mas saber o quanto de dinheiro é ganho ou poupado é algo mais complexo.


Fonte: Livro: Sistemas de informação gerenciais, 11ª edição - Kenneth C. Loudon e Jane P Laudon

Nenhum comentário:

Postar um comentário